18.9.12

Aveiro acordou!

MANIFESTAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2012

Impressionante e emocionante a manifestação em Aveiro! Dizem-me que os números da PSP apontam para cerca de 10000 pessoas. É muita gente para esta cidade! Mas sobretudo, a certeza de estar rodeada de gente grande! Não eram miúdos a querer fazer festa, eram adultos, pais e avós de família, indignados e absolutamente motivados e convictos neste dizer NÃO, neste gritar BASTA! O episódio do jovem que se imolou foi lamentável (e terá sido, afinal, um acidente e não uma forma de protesto). Claro, havia jovens também, e ainda bem! E sim, uns ratos de extrema direita e extrema esquerda a acenar umas bandeiras. Mas que isso não manche o que foi esta manifestação: um protesto massivo mas pacífico de gente de bem que deseja o Bem Comum!
 

4.8.12

Estúdio Performas

Ao Filipe Pereira, do Estúdio Performas, eu agradeço a colaboração em projectos como o do "Silêncio" (2010) e a coragem de ter persisitido e ousado numa cidade tão conservadora como Aveiro. Vamos perder mais um espaço cultural na/da cidade.

(...)
Para trás fica uma actividade que, segundo Filipe Pereira, privilegiou o “apoio à experimentação artística”, através de laboratórios ou residências artísticas. “Demos um impulso muito significativo à consolidação ou ao aparecimento de projectos locais”, avalia. É esse “vazio” que Aveiro poderá ter mais dificuldade em preencher. “Sítios para espectáculos há outros na região. Mas o nosso trabalho mais importante, apesar de não ter tanta visibilidade pública, foi o apoio aos artistas de Aveiro”.
A “pequena comunidade artística” local “merece condições” para evoluir e para se expandir. “Uma parte dos nossos artistas já saiu da cidade”, empobrecendo o panorama cultural local, avisa.
“Ao longo dos últimos quatro anos levámos a cabo um projecto muito ambicioso de programação e produção artística e desenvolvimento de público para as artes contemporâneas, com especial incidência nos domínios das artes performativas”, descreveu ao Diário de Aveiro. Concebido como um “espaço de cidadania”, o Performas “deixou de ter condições para continuar”.
Embora sem entrar em detalhes, Filipe Pereira deixa perceber que foram problemas financeiros que ditaram o fim do projecto. Os apoios do Ministério da Cultura sofreram “grandes cortes” nos últimos anos, o que abalou a viabilidade do Performas.
Localmente, a instituição nunca contou com grandes apoios, queixa-se o director artístico. “A Câmara existe?”, pergunta.
A actuação do Teatro Aveirense também deixa muito a desejar, lamenta. “Aveiro merecia um teatro municipal”, atira. “Tem um? Está a dar-me uma novidade”. E acrescenta: “Existe em Aveiro um ambiente hostil ao desenvolvimento artístico, que é visto como subversivo e que é boicotado de forma explícita”.»

30.7.12

Espectáculo de Luis Pastor

Ontem, no palco da FARAV, Luis Pastor! Por gentileza e vontade de partilhar alegria, à festa juntaram-se alguns músicos que tinham estado no Tom de Festa, evento organizado pela ACERT Tondela: Lourdes Guerra, Uxía Senlle e a Zeca Medeiros! ...Parabéns ao Rui Oliveira pela interpretação fabulosa de uma canção de Zeca Afonso, fonte de inspiração de todos os músicos presentes.

Pena que a divulgação do evento não tenha estado à altura dos artistas convidados. A CMA, sempre, a fazer o esforço mínimo... Sorte a de quem por lá passou! A noite estava fria mas tornou-se mágica!

FARAV

27.7.12

Diogo Carvalho, estamos contigo!

Diogo Carvalho do Galitos Aveiro, o melhor nadador nacional, competirá nas provas de 400 e 200 m estilos nos Jogos Olímpicos de Londres. As eliminatórias terão lugar já neste sábado, dia 28-07, e no dia 1-08.



Fotos (inferiores) de MRF
Clube dos Galitos, Aveiro

26.7.12

Preservação do barreiro da fábrica Jerónimo Pereira Campos

Apelo do Prof. Galopim de Carvalho pela preservação do barreiro da fábrica Jerónimo Pereira Campos:

"Estas argilas são sedimentos muito finos trazidos por via fluvial e acumulados numa área plana, próxima do mar, que caracterizou toda esta ...
região, no final da Era dos Répteis, mais precisamente, no topo do Cretácico, há cerca de 70 a 65 milhões de anos.

No seio destas argilas foram encontrados fósseis animais e vegetais, que nos permitem reconstituir uma paisagem tropical, alagadiça, onde, entre outros, viveram dinossáurios, crocodilos, tartarugas e peixes de grandes dimensões.(...)

O barreiro em causa é o único e último testemunho, na região, desse tempo antigo, imediatamente anterior à grande extinção que marcou o fim da Era Mesozóica e o começo dos tempos modernos, com grandes mudanças no clima, na flora e na fauna. (...)
Reafirmo o significado pedagógico e cultural deste património geológico e paleontológico que, para além desse nível de importância, acumula o grande significado que teve como fonte da matéria-prima que deu azo à edificação do belo imóvel fabril, com o qual se conjuga lógica e harmoniosamente. (…)
O barreiro, cuja desejável musealização se limita, praticamente, à limpeza do escarpado, a fim de evidenciar as camadas de argila,e ao ajardinamento e embelezamento do “lago” que ali se formou (em resultado da lavra), ainda ali se conserva, parcialmente oculto, mas intacto. Só falta vontade política de o transformar num pólo de atracção cultural e pedagógica associado ao magnífico Centro Cultural e de Congressos."

Prof. Galopim de Carvalho, Lisboa, 27 de Junho de 2012
__________________

Barreiro nos anos 60 do século XX. Foto de Carlos Romariz
Foto do Prof. António Correia, obtida em 26 de Junho de 2012

3.6.12

Crónica de um desmoronamento (maior) anunciado

O casario da rua de Luis Cipriano está a resistir há muito tempo ao abandono. A situação de degradação agrava-se de ano para ano. Fica no centro da cidade, entre a Praça da República e a Rua Batalhão de Caçadores Dez. O interior de várias casas já ruiu, já houve um incêndio, já houve ocupas, agora deve haver outros sistemas ecológicos em formação. Há anos e anos que é assim. Só falta assistir ao desmoronamento das paredes exteriores. E lá chegaremos! É claro que a culpa já anda solteira e assim vai morrer!

Rua de Luis Cipriano (ver link)
Fotos MRF, 1 de Junho 2012

12.5.12

Quarto com vista para a cidade de Aveiro___ e para a Procissão de Santa Joana

No Dia da Cidade, feriado municipal, à hora marcada, as ruas enchem-se para ver passar a Santa Padroeira, entre irmandades, bombeiros, bandas, escuteiros e entidades protocolares. A organização da Procissão é da responsabilidade da Irmandade de Santa Joana.
Fotos MRF

11.5.12

Quando viver for recordar...

Uma imagem que corre o risco de passar à história...

Canal Central, Abril 2010

Ontem atravessei a "Ponte do Laço" #6

Não foi bem ontem. Mas não faz mal...


Telhados #2

Rua Batalhão de Caçadores Dez

Telhados #1

Azulejos #11

Bairro da Beira-mar

Azulejos #10

Bairro da Beira-mar

Azulejos #9

Capela de S. Gonçalinho

Ofícios #5


7.2.12

Promessas, Senhor Presidente?

A pequena reportagem da Sic centrada na polémica à volta da ponte pedonal sobre o Canal Central sabe mesmo a pouco... Em 10 anos, esta autarquia não fez praticamente NADA que contribuísse para o desenvolvimento de Aveiro (na verdade, retirou valências à cidade) e o que faz NINGUÉM quer que faça! Quanto ao Presidente da CMA, deveria preocupar-se com as promessas eleitorais, de facto...

Aguardamos "a concretização da Carta Educativa do Concelho de Aveiro". No que diz respeito à política cultural, continuamos à espera d' "o incentivo à criação artística, a preservação e a promoção do património cultural, o apoio ao associativismo e aos movimentos cívicos culturais, o estímulo ao recurso às novas tecnologias de informação e comunicação no processo criativo e, ainda, a promoção da multiculturalidade". Lembram-se do desastre que foi a última (e parece que foi mesmo a última) Bienal de Cerâmica? Há quem não constate o afundamento do TA? A propósito, não era em Janeiro que seria admitido finalmente um director? Em Setembro de 2011, líamos nos jornais: "A empresa municipal TEMA que gere o Teatro Aveirense nomeou Daniel Tércio como Consultor Artístico e responsável pela orientação programática dos espectáculos no Teatro Aveirense e já informou o Executivo da decisão". Por onde anda Daniel Tércio!
Mas há mais... Depois de tantos estudos, o que mudou na Av. Lourenço Peixinho? Querem rir? Eis a promessa: "Os meios a mobilizar (para a requalificação urbana da Avenida) serão os que respondam aos princípios definidos, lembrando que a qualificação deste espaço público e a sua vocação social muito vão beneficiar com a divulgação do acervo de arte moderna, no âmbito da Avenida de Arte Contemporânea de Aveiro". Acervo, disseram acervo? Qual foi o destino das mais de 300 obras de arte cedidas à Câmara Municipal de Aveiro pelo Instituto das Artes (SEC) em 2007? Continuam (uma boa parte, sem dúvida) nos gabinetes dos vereadores?
Vale a pena evocar o "cumprimento do Plano de Saneamento Financeiro, acompanhado por um programa de Desenvolvimento Económico"? Acho que não!

Enfim, promessas! Já agora, continuamos sem a piscina municipal (além do terreno onde ainda está implantada e abandonada) e sem as receitas dessa venda (realizada numa madrugada cada vez mais longínqua ___ )(resultados do inquérito, caro Ministério Público?) . O Dr. Élio Maia não quererá pedir fundos comunitários para uma nova piscina? Eu acho que tem a responsabilidade (i)moral de o fazer!